Viagem para o exterior: seu sonho é conhecer algum lugar ou apenas mostrar que esteve lá?

Antes de passar neste último concurso, nunca tinha viajado, o máximo que eu tinha conhecido era a cidade de aparecida, junto com o pessoal da igreja.
Depois que passei, vi que era possível sim, viajar e conhecer lugares bonitos e até outros países, conheci Campos do Jordão, fui a Comic Con de São Paulo e me senti “gente”, não que eu não fosse gente antes, mas acho que a falta de grana e até mesmo a marginalização que alguns mais abastados fazem com a galera mais pobre, acaba nos ensinando a nos automarginalizarmos, e determinadas coisas e experiências deixam a realidade e passam a ser exclusivas da TV e da Internet.

Continue lendo “Viagem para o exterior: seu sonho é conhecer algum lugar ou apenas mostrar que esteve lá?”

Uma guerra fria na vizinhança: Quem tem a grama mais verde afinal?

Logo depois do fim da segunda guerra mundial até mais ou menos o inicio da década de 90*, a União Soviética e os Estados Unidos ( e alguns aliados ) mantiveram uma tensão geopolítica, que trazia um sensação de que a qualquer momento uma nova guerra mundial seria travada.
Este período tenso foi chamado de Guerra Fria, onde competições esportivas, evolução tecnológica, espionagem e intrigas eram os campos de batalha.
Outro dia, pensando na vida, vi similaridades com a vida laboral e em comunidades de atualmente, todos os dias, muitos homens e mulheres travam um guerra no ambiente de trabalho e com seus vizinhos de rua, e mal sabem eles que são vítimas dos próprios ataques.

Continue lendo “Uma guerra fria na vizinhança: Quem tem a grama mais verde afinal?”

Quem somos nós? Por que construímos nossas próprias prisões?

“Não faz isso”, “Isso é feio!”
Nos primeiros estágios da infância aprendemos adjetivos, rótulos, começamos a entender o que é ruim e o que é bom, o que é alto e o que é baixo, o que é bonito e o que é feio.
Acumulamos uma tonelada de conceitos e aí começamos a analisar o mundo, comparar as coisas e também as pessoas, e logo depois, entendemos que também somos analisados e comparados: temos um(a) amiguinho(a) que é mais forte, outro(a) que é mais rápido(a), e outro(a) que é mais bonito(a).
Assistimos na TV nossos ídolos e personagens prediletos, queremos ser daquele jeito: fortes, rápidos, corajosos, bonitos… Importantes.
E aí, um grande problema começa…

Continue lendo “Quem somos nós? Por que construímos nossas próprias prisões?”